NOTÍCIAS - DISQUE DENÚNCIA BAHIA

Polícia recebe até mapa de boca de fumo em denúncia feita por WhatsApp

Salvador, 05/01/2015

Outra forma de acesso é pelo Sistema de Informação para Proteção à Pessoa (SIPP), aplicativo lançado pelo DHPP em maio
Plim, plim! Dispara o alerta do Whatsapp. Na sala do Serviço de Inteligência do Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP), um agente checa a mensagem. É uma denúncia sobre o paradeiro de um bandido. A partir dali, a Polícia Civil parte para as investigações. Por dia, são muitas as mensagens. Algumas infundadas, outras certeiras. Fato é que, um dos aplicativos mais populares de troca de mensagens, o WhatsApp se transformou também em uma importante arma contra o crime na Bahia.
Desde maio, ele é usado pela Polícia Civil para obter informações da bandidagem. São imagens, relatos e mesmo um passo a passo de como chegar a uma boca de fumo. Até o dia 16 de dezembro, a polícia contabilizava 25 prisões por meio das mensagens encaminhadas ao número (71) 9956-2436. Durante as operações, sete suspeitos morreram ao resistir à prisão.
A ação da polícia é uma resposta aos criminosos que já incorporaram o WhatsApp no seu dia a dia. Eles usam mensagens de texto e gravações para mostrar o preparativo de assaltos e a escolha dos alvos, por exemplo. “O bandido pode não ter carteira de identidade, mas tem um smartphone com o WhatsApp”, diz o diretor do DHPP, o delegado Jorge Figueiredo.
O Disque Denúncia (3235-0000), primeira ferramenta do tipo, continua em uso. “O que fizemos foi otimizar a possibilidade de denunciar. O Disque Denúncia é da época do orelhão, quando as pessoas ligavam e descreviam as características do suspeito. Hoje, com mais rapidez, temos imagens e informações adicionais”, informa Figueiredo.

RTEmagicC_Zap.jpg

Detalhes
Com o uso da tecnologia, a polícia conseguiu minimizar um problema nas investigações: como qualificar os criminosos, já que muitos não são conhecidos pelo nome. “Antes, chegava para a gente só o apelido. Sabíamos do bandido, mas não o conhecíamos fisicamente. Agora, nos passam dados completos. Ou seja, nome, apelido e foto”, relata.
Alguns bandidos presos no ano passado eram procurados desde 2013, como o traficante e homicida Henrique Geraldo Santos, o Splite, 22, preso em outubro, em Vilas do Atlântico. “Enviaram pelo WhatsApp foto, informações do local de atuação dele (Liberdade) e detalhes de como chegar ao esconderijo”, conta o delegado. Splite fugiu da Liberdade depois que a polícia intensificou as operações no bairro, na tentativa de prendê-lo. Em Vilas, o bandido estava em um imóvel alugado. A denúncia partiu de moradores da própria Liberdade. As informações foram compartilhadas por muitas pessoas e acabaram chegando até o DHPP.
E foram denúncias como essa que também ajudaram a polícia a encontrar três dos seis criminosos envolvidos na chacina de Marechal Rondon, ocorrida em maio. Denilson dos Santos Ribeiro, o DK, Carlos Eduardo Sena, o Índio, e Evandro de Oliveira Ramos, foram capturados em setembro. Eles e os comparsas – detidos em outra ocasião – tinham prisões decretadas pela 2ª Vara do Tribunal do Júri.
A chacina foi uma represália à captura de três integrantes da quadrilha de Índio, mandante da matança, presos durante operação das polícias Civil e Militar, em maio, na localidade. Um dos criminosos perseguidos, apelidado de Gordo, invadiu o terreiro de candomblé, onde foi localizado pelos policiais. As cinco vítimas da chacina, Maria da Paixão Pereira, 65, seus filhos Jadaíra Pereira dos Santos, 28, e Jackson Pereira dos Santos, 27, além de Antônio Cláudio dos Santos, 39, e Ana Rita Santana Santos, 29, foram baleadas e queimadas no terreiro onde a família de Maria também residia.

Sigilo
Policiais do Serviço de Inteligência do DHPP monitoram o canal diariamente e adotam práticas para garantir o sigilo das fontes. “Os nomes das pessoas que denunciam são mantidos em sigilo. Os informes são repassados como relatórios, uma garantia a mais para a preservação do anonimato”, explica Figueiredo.
Outra forma de acesso é pelo Sistema de Informação para Proteção à Pessoa (SIPP), aplicativo lançado pelo DHPP em maio para a população ajudar a identificar criminosos e encontrar pessoas desaparecidas. Basta acessar app.vc/dhpp_ba. Ele é gratuito e está disponível para os sistemas Android e IOS.

Planejamento de crimes e pânico

É comum no bate-papo entre policiais se ouvir que, quando a polícia descobre um tipo de crime, a bandidagem já arquitetou uma forma mais ousada de agir. “Desde quando o aplicativo surgiu, sabemos de ações criminosas orquestradas em grupos no WhatsApp. Assaltos, sequestros, partilha de roubos, são algumas das situações por exemplo, que chegaram até nós”, afirma um sargento da 13ª Companhia Independente da PM (Pituba), que pediu para não ser identificado.
Na Lajinha, localidade do bairro da Engomadeira, os smartphones são usados como ferramentas para avisar e alertar a respeito de operações policiais. “Meninos usam o aplicativo para avisar a chegada da polícia”, conta um agente do DHPP. O policial disse ainda que é através do aplicativo que as quadrilhas encontraram uma fórmula para espalhar o terror na população. A situação acontece sempre quando um integrante do bando é morto pelo grupo rival ou pela polícia. “Foi o aconteceu em fevereiro, em Cosme de Farias, quando Titanic morreu em confronto com a PM”, recorda o agente.
À época, Tiago Guimarães Pinto, o Titanic, o irmão dele, Jacson Guimarães Pinto, e Diogo dos Santos morreram em Camaçari ao reagir a uma abordagem. Outras oito pessoas foram presas. No dia seguinte, mensagens de que havia um toque de recolher determinado pelo bando de Titanic foram compartilhadas no Whatsapp, criando um clima de tensão no bairro.

Facebook

RTEmagicC_FacePolicia.jpg
Na fan page, a maioria das fotos tem como pano de fundo um banner da Polícia Civil. As poses são quase sempre as mesmas e acompanhadas de um texto informando quem é o acusado e como ele foi capturado. Criada no início deste ano, a página no Facebook da 16ª coordenadoria de Polícia do Interior (Coorpin/Jacobina) é outro exemplo de como a tecnologia pode ajudar a combater a criminalidade.
Facebook da 16ª Coorpin, em Jacobina, onde três delegados são responsáveis por administrar a página
“A página foi criada com a intenção de aproximar mais as pessoas e estimular as denúncias. Já fizemos algumas prisões, graças a esse recurso. Mesmo sem grande divulgação, já recebemos muitas denúncias de violência doméstica e tráfico de entorpecentes”, explicou o delegado Fábio Santos Silva, coordenador da 16ª Coorpin, que abrange 19 municípios.
Ele não revelou, no entanto, o número de prisões realizadas. Por conta do sucesso na interação, a página agora conta também com um número para denúncias no Whatsapp: (74) 9971-0372. No Facebook, a página é administrada por três delegados. “A gente tem o maior cuidado para não expor o denunciante.
Por mais que se curta a página, não tem como saber quem denunciou, porque é mensagem privada”, acrescenta o delegado. Ele ressaltou que a fan page tem dado mais credibilidade às denúncias. “Em casos em que a denúncia resulta em prisão, mandamos imediatamente um agradecimento. Cria um sentimento de satisfação da pessoa. A gente ‘recruta’ essa pessoa para trabalhar ao nosso lado”, comenta.
Em casos em que a informação não procede, a polícia também entra em contato com o denunciante. Somente os delegados fazem isso, já que são os únicos que sabem sobre a origem das mensagens. Caso haja uma insistência na informação errada, a pessoa é bloqueada.
Fonte: Correio

PM desarticula quadrilha e apreende 12kg de droga em Jequié

Salvador, 02/01/2015

Quadrilha foi localizada após denúncia anônima; além de drogas, foram encontradas armas, veículo e motocicleta sob posse do grupo.

unnamed

Três pessoas foram presas na manhã desta terça-feira (30) durante uma Operação de Combate ao Tráfico de Drogas em Jequié, a cerca de 365 quilômetros de Salvador.  Ana Flávia Francisco Dutra, 24 anos, Luan Pereira Martins, 22, e Bruno Bispo dos Santos, 22, foram encontrados , nas imediações da localidade conhecida como Cohim, no bairro do Joaquim Romão, após denúncia anônima.

Com eles, foram encontrados 4 quilos de “crack” e 8,48 quilos de cocaína pura, além de uma pistola Taurus, calibre 380 com nove cartuchos intactos, um revólver calibre 38 com cinco cartuchos intactos, duas balanças de precisão, sete celulares, um notebook e a quantia de R$ 11.981,70 em dinheiro. Também foram apreendidos com o grupo uma motocicleta e um veículo.

Todos os envolvidos foram apresentados na tarde desta terça, juntamente com todo o material apreendido. O comandante do 19º BPM, major Santana, destacou a ação dos policiais, ressaltando a importância do Disque Denúncia. “O serviço de denúncias anônimas do batalhão vem dando resultados expressivos, culminando na prisão de muitos traficantes em Jequié”, comentou.

 

Uso de armas não letais por policiais é prioridade no país a partir de hoje

Salvador, 24/12/2014

Armas não letais, de menor potencial ofensivo, como gás lacrimogêneo, balas e cassetetes de borracha, spray de pimenta e arma de eletrochoque, também conhecida como taser, terão prioridade na ação policial em todo o país, desde que essa opção não coloque em risco a vida dos policiais . É o que determina a Lei 13.060/14 publicada na edição desta terça-feira (23) do Diário Oficial da União.
De acordo com o texto – de autoria do senador Marcelo Crivella (PRB-RJ), aprovado pelo plenário do Senado no fim de novembro – armas não letais têm baixa probabilidade de causar mortes ou lesões permanentes e são projetadas para conter, debilitar ou incapacitar pessoas temporariamente.
A lei proíbe o uso de armas de fogo nos casos de abordagem a pessoa desarmada em fuga ou contra veículo que desrespeite bloqueio policial, desde que o uso do armamento de menor poder ofensivo não coloque em risco a vida do agente de segurança ou de terceiros.
“Sempre que do uso da força praticada pelos agentes de segurança pública decorrerem ferimentos em pessoas, deverá ser assegurada a imediata prestação de assistência e socorro médico aos feridos, bem como a comunicação do ocorrido à família ou à pessoa por eles indicada”, diz um trecho da lei que entra em vigor hoje.
Debatida por nove anos no Congresso, no dia da aprovação vários parlamentares destacaram a importância da lei tendo em vista o crescimento da violência na ação policial que, todos os anos, resulta em grande número de mortes, especialmente de jovens. A expectativa é adequar o uso da força por parte do Poder Público para reduzir as ocorrências graves.

Fonte: Tribuna da Bahia


Página 187 de 231« Primeira...102030...185186187188189...200210220...Última »

@ 2017 - Todos os direitos reservados - Disque Denúncia Bahia - (71) 3235-0000 - 181 | DD181